Voltar

Por que nadar em água fria no inverno?

Samir no Canal da Mancha

Mês de julho se aproximando e muita gente já preocupada em ter que enfrentar uma piscina fria para nadar. Sabemos que tem pessoas que não treinam em local com piscina aquecida ou mesmo recorrem ao mar, rio ou represa… Mas tenho aqui duas dicas que podem “quebrar o gelo” e fazer você se motivar.

Quando a temperatura da água é baixa, a frequência cardíaca não sobe muito. Os vasos sanguíneos ficam mais “fechados” e a gente retém mais líquido, até porque não suamos tanto quanto no calor. Com isso, você nota que não vai cansar tanto quando nos dias mais quentes, o que irá te motivar mais na hora do treino. Portanto, em água fria é legal fazer um treino com mais intensidade, aproveitando o fôlego extra. Não se preocupe se as suas médias subirem nos treinos, nessas condições é normal. Como o corpo demora mais para cansar, deve se guiar pela percepção de esforço que está fazendo ali pois quando pegar uma piscina com condições melhores, mais quente, vai notar que o nado estará mais rápido e as médias melhores. Mas cuidado para não forçar além do necessário. Na hora do treino pode ser que você não sinta desconforto, mas depois, com o corpo mais frio, talvez você sinta aquela sensação de desgaste. Então, atenção redobrada em águas mais frias para evitar lesões.

Um amigo argentino, Damián Blaun, costuma dizer: independente da condição é sempre uma oportunidade. Nas águas abertas os atletas enfrentam várias condições, então se você tem a chance de encarar alguma delas, olhe pelo lado positivo, você está se preparando para aquela adversidade. Quando mais você se acostumar com a sensação que irá enfrentar no dia da prova, melhor seu corpo vai responder a esse estímulo, pois não haverá um choque imediato. Quem aí tem interesse em nadar um Canal da Mancha, Ironman em Florianópolis… pense que esse é o período ideal para simular as condições dessas provas.