Maratona Aquática: Como escolher uma prova?

Hoje vamos falar sobre calendário de provas. A maratona aquática acabou se tornando a “corrida de rua” do momento, com um aumento significativo no número de provas, o que é muito importante para o fomento da modalidade. Mas, junto com a variedade de provas e percursos, muitos atletas ficam em dúvida sobre qual evento participar, como se organizar e como efetuar o planejamento dos treinos… Vamos aqui sanar as principais dúvidas para que você se sinta mais seguro na hora de escolher um evento

1. Converse com a família! E não se esqueça do trabalho!Considerando que você dedicará um determinado tempo do seu dia/mês para treinar e se preparar para a prova, procure sempre conversar ANTES com sua família sobre seus planos. 

Debater com o cônjuge o que cabe ou não cabe no orçamento (valor da inscrição, transporte, hospedagem, despesas extras com alimentação…), se é possível ou não acompanhamento de um ou de todos os integrantes (conciliação de agendas), se a data da prova bate ou não com compromissos importantes (batizado, casamento, festividades da escola do seu filho, etc), se o local da prova (arena do evento ou a cidade em si) conta com atividade para sua família enquanto você está nadando… 

O mesmo vale para o trabalho. Procure conversar com seu chefe com antecedência sobre a possibilidade de folga um dia ou dias antes e/ou depois da prova, para que você possa chegar ao destino com tranquilidade e não tenha que se preocupar com o serviço caso esteja ausente. Nem sempre será possível ter uma folga, porém, uma boa gestão do tempo você pode inclusive mostrar para seu chefe outras habilidades e garantir que sua ausência não será um problema complexo… 

Tudo isso interfere na preparação do atleta. Se sua mente não está totalmente focada no seu objetivo, vai ser difícil ir para qualquer evento sem se estressar. Planejamento é fundamental!

2. Segurança em primeiro lugarProcure saber se a prova possui itens básicos de segurança como ambulância, estacionamento, guarda-volumes, números de STAFFS dentro da água e fora da água, número de bóias e pontos fixos no percurso… Procure com amigos e mesmo com seu professor recomendações sobre acessibilidade aos resultados, premiação, contato com a organização e profissionalismo dos organizadores… 

A estrutura não precisa ser de primeira linha, mas o suporte ao atleta especialmente durante a natação é essencial para que você nade sem preocupações, curtindo o momento e focando na sua performance!

3. Localização e HospedagemAntes de realizar a inscrição, procure saber COMO chegar no local da prova. Qual o meio ou meios de transporte mais próximo(s) e também que cabem dentro do seu orçamento. Montar um grupo de amigos para dividir as despesas pode ser uma alternativa para baratear os custos. 

Além disso, nunca se esqueça que imprevistos podem acontecer como atraso de vôos, carro quebrado, acidentes de trânsito, por isso, sempre que possível procure chegar com antecedência de um dia no local da prova. Assim você evita transtornos caso hajam atrasos ou problemas de logística. 

Uma boa noite de sono antes da prova também pode fazer a diferença na busca por um resultado. Por isso procure uma hospedagem confortável e próxima do local do evento. Verifique se existe café da manhã antecipado e caso não seja possível compre seu café antes. Assim você descansa, se alimenta e também não se atrasa para a prova. 

4. De olho nos prazos! E na segurança do site…Não se esqueça de verificar os prazos de inscrição, valores de lote… Leia o regulamento!! Algumas provas possuem número limite de participantes e acabam se esgotando rapidamente. 

Outro ponto fundamental, que não deixa de fazer parte da segurança, é sobre a forma de pagamento. Verifique se a prova possui um ambiente virtual seguro de pagamento, onde os dados estejam protegidos e criptografados… Guarde sempre o comprovante de inscrição para eventuais consultas. Verifique também no regulamento as condições para cancelamento, afinal, como já dito, imprevistos podem acontecer e em alguns casos é possível ter de volta o investimento feito (ou parte dele). 

FOTO: Fábio Mota!

De olho na largada

Olá pessoal!! Hoje vamos falar sobre um momento bastante crucial: a Largada! Controlar a ansiedade não é fácil para muitas pessoas, especialmente os iniciantes, mas vamos procurar esclarecer as principais dúvidas e fazer com que você tenha uma performance mais eficiente. 

Primeiro, saber exatamente o percurso da prova, os possíveis pontos de hidratação e pontos de segurança são fundamentais antes de entrar na água e mergulhar de cabeça no seu objetivo! Saber a distância até a primeira bóia, visualizar o máximo de pontos de referência dentro e fora da água (prédios, árvores mais altas, montanhas etc), ver para que lado está puxando a correnteza ou empurrando o vento, entre outras informações do ambiente e das condições do momento ajudam você a se preparar para o que terá pela frente. Ainda no que chamamos de “pré-prova”, não se esqueça de se informar sobre os horários da largada, pois muitas provas fazem diversas baterias separando: idade, sexo, metragem da prova. 

Um erro comum é largar muito forte e após um ou dois minutos estar hiperventilando (respiração acelerada). Neste momento bate o desespero, falta fôlego e você pode comprometer toda sua prova, errando o ritmo e deixando pra trás toda sua estratégia… Por isso, aconselho sair utilizando a força e não tanto a aceleração da braçada. Controle sua respiração e intensidade de forma que não atinja seu máximo! Segure esta intensidade até encontrar um grupo de força igual ou pouco mais forte. Mantenha-se neste grupo e aí sim inicie sua estratégia de prova. 

O posicionamento na hora da largada também é muito importante. Para atletas iniciantes a melhor opção é largar mais atrás e não correr o risco de contato físico, pois isso pode incomodar quem ainda não está acostumado com essa condição e com a “muvuca”. Lembre-se que mesmo sendo uma modalidade individual o contato é frequentemente na maratona aquática, ainda mais na largada onde todos estão procurando o melhor grupo, trajeto e estratégia. Análise bem os fatores mencionados no pré-prova e comece a ir adiante gradativamente. 

Atletas mais rápidos e experientes já encontram seu espaço e grupo mais rapidamente. Por isso, a dica é encontrar seus adversários e sair mais próximo deles. Para os atletas mais lentos aconselho sair nas laterais, pois desta maneira poderá encontrar seu espaço e seu grupo de acordo com “afunilamento” até a primeira bóia. 

No início, procure navegar (realizar a respiração frontal) no máximo a cada 6 braçadas, pois com a multidão fica difícil saber quem está no trajeto certo, e aquele que neste momento fizer o caminho mais curto já terá uma grande vantagem. 

É isso, espero que vocês tenham uma largada mais eficiente e conquistem o resultado esperado!

Abraços!

Foto: Fábio Mota

Nadando um Ironman: Como ser mais eficiente nas águas de Florianópolis

Olá Pessoal! Chegamos ao mês de maio, o mês do maior evento de triathlon da América Latina: o Ironman Florianópolis!! A prova, que é classificatória para o Mundial da modalidade em Kona, é uma das mais prestigiadas pelos atletas e fãs de esporte como um todo. A natação, primeiro grande desafio do combinado, muitas vezes é subestimada uma vez que representa aproximadamente 10% do total da prova (3,8k). Apesar do ciclismo e a corrida contarem com metragens mais elevadas, uma natação ruim pode comprometer toda a prova. Afinal pedalar e ainda correr atrás do prejuízo pode ser mais desgastante e colocar uma pressão enorme no atleta. 

A primeira dica é sobre o LOCAL. Florianópolis é sempre uma icógnita. Ás vezes chove, ás vezes o mar está lisinho, mas se tem uma coisa que atrapalha muita gente é a correnteza. Por isso, sempre pergunte para um bombeiro ou oficial para onde está a correnteza. Se não conseguir encontrar alguém para dar essa informação, se não estiver ventando, olhe para um barco de apoio da organização da prova, para onde estiver apontando a traseira do barco é a direção da correnteza. 

Procure manter a calma na LARGADA. Ás vezes é difícil por conta da ansiedade, mas manter esse controle pode fazer toda a diferença durante o trajeto que é puxado. Procure não hiperventilar, controlar bem a respiração.

Além disso, largue em um ritmo forte mas controlando a respiração e não entrando em FC anaeróbica. Isso porque larga muita gente junto, então procure se posicionar em um grupo ou um espaço onde você consiga aos poucos imprimir seu ritmo. Quando encontrar seu espaço, use mais a cadência de braço, tirando um pouco a força da largada. Por estar utilizando roupa de neoprene o braço vai servir mais como um remo e o corpo como um caiaque, onde vc poderá imprimir seu ritmo.

Entenda que um triatleta de alta performance não nada 3,8k na mesma intensidade que começa a natação. Ele realiza um SPRINT de 200m, 300m na largada e depois tem uma estabilização natural mantendo um RITMO CONSTANTE. Ou seja, o atleta começa em alta velocidade e depois baixa para o ritmo normal de competição permitindo que o corpo se recupere e economize energia para as próximas etapas. Portanto, imprima um ritmo confortável, lembrando que após os 3.800 metros tem ainda 180 quilômetros de pedal e uma maratona (42 quilômetros) para correr. 

Caso o mar esteja MUITO MEXIDO, procure não nadar com muita amplitude de nado e sim com uma cadência maior, para que você possa se encaixar no ritmo das marolas. Por isso, utilize uma braçada um pouco mais alta, solta mantenha uma cadência de braçada contínua, se encaixando no mar. 

Espero ter ajudado mais uma vez e desejo a todos que irão encarar esse mega evento esportivo muita força, paciência e resiliência para superar os limites e cruzar a linha de chegada, independente do tempo. Só de ter se preparado para chegar lá, vocês já são vencedores!!

Samir Barel comemora mais uma vitória na Ultramaratona da Ilha do Mel

Após alguns meses sem competir, neste sábado (27) Samir Barel caiu nas águas frias do mar paranaense e conquistou mais uma vitória na Ultramaratona Aquática da Ilha do Mel. O nadador paulista finalizou os 13k em 3h20min, alcançando o primeiro lugar na classificação geral do evento.

“Foi um retorno que não poderia ter sido melhor. Agradeço especialmente ao André, meu caiaqueiro, que ajudou a conquistar esse primeiro lugar geral. E fico ainda mais feliz por ver os alunos/atletas nadarem e saírem felizes da prova. Isso mostra que estou no caminho certo. Vocês me INSPIRAM e MOTIVAM”, conta o atleta de 35 anos.

Samir Barel de volta à ativa na Ultramaratona Aquática da Ilha do Mel

Samir Barel vem mostrando toda sua versatilidade e multifuncionalidade no ambiente aquático. Nadador, treinador, árbitro, diretor de prova, organizador de eventos, proprietário de academia… Após alguns meses sem competir, o paulista está de volta e será um dos destaques da prova de 13k da V Ultramaratona Aquática da Ilha do Mel, marcada para o sábado (27/04).

“Estava precisando dessa adrenalina novamente. Tenho dedicado mais tempo à família, trabalho e por último aos treinos, nessa ordem. Mas os próprios atletas tem me inspirado e me motivado a procurar novos desafios. Fazem 4 semanas que voltei a nadar. O objetivo é fazer uma boa prova, imprimir um bom ritmo, recuperar o condicionamento físico. E vamos nessa, um dia de cada vez”, conta o nadador de 35 anos.

Projetos paralelos

Praticante de maratona aquática desde 2007, Barel já concluiu algumas das provas mais longas e difíceis do planeta. Nos últimos tempos, tem dividido a rotina de treinos com o lado empresarial como sócio proprietário da Elo Academia em Campinas; perfil empreendedor, estando a frente do Desafios Aquaman, um projeto pioneiro e desbravador de novos percursos na Maratona Aquática; e claro, técnico da Samir Barel Assessoria Aquática, que atende nadadores amadores e profissionais em todos os estados e está se tornando referência no ensino e performance em provas de natação em águas abertas.

“O dia é cheio, mas eu amo nadar, amo o que faço. Acredito que as experiências e oportunidades que esporte proporciona torna o ser humano uma pessoa diferenciada em meio à sociedade. Por isso, meu principal objetivo é mostrar que TODOS SOMOS CAPAZES de atingir nossos objetivos, independente de quais sejam”, conta o ultramaratonista aquático.

NAVEGAÇÃO (respiração frontal)

Olá pessoal! Hoje vamos falar sobre um fundamento essencial para a maratona aquática: a Navegação ou respiração frontal. Costumo dizer que a navegação é como a virada nos 50m livre, se você não sabe este fundamento a probabilidade de nadar e se desgastar mais serão grandes.

A navegação mais eficiente é que chamamos de FRONTO/LATERAL. Nela você olha para frente tirando apenas os olhos da água e logo na sequência já faz a respiração lateral. Desta forma você utilizará o braço de apoio (que estará na frente) e a finalização do braço oposto para levantar a cabeça e fazer a respiração em seguida sem perder o alinhamento do nado. 

Além da pratica durante o treino dentro da água, é bom que o nadador realize fortalecimento de trapézio, lombar e abdômen fora da água, pois são regiões muito trabalhadas neste fundamento e podem gerar desconforto caso não esteja acostumado. 

Pratique a navegação durante os educativos, aquecimento e até em séries principais de seu treino. Quanto mais você praticar, mais irá se acostumar e mais preparado para as condições adversas você estará. Lembre-se que no mar, caso haja correntes, ventos, chuva ou a visibilidade esteja comprometida, é a navegação que irá fazer você encontrar o caminho certo e evitar ficar dando voltas no mesmo lugar. 

Durante a prova, procure o máximo de pontos de referência dentro e fora da água para facilitar a navegação. Mire sempre no meio de seu objetivo e na duvida um pouco para dentro do percurso estipulado.Mire apenas ponto fixos, pois pontos como embarcações podem se locomover.

Muitos me perguntam qual a frequência ideal de navegações. Para provas curtas e médias (até 5km), se o atleta estiver bem treinado, oriento executá-la no máximo a cada 6 braçadas. Dependo da quantidade ou dificuldade para enxergar o percurso, é bom fazê-la a cada 4 braçadas. Em provas mais longas o ideal é de 6 a 8 braçadas, mais do que isso o nadador corre o risco de sair do percurso e nadar mais. Além das correntes e ventos que nos jogam para os lados é muito difícil manter o nado 100% alinhado sem a raias para termos como referência.

Espero ter ajudo com essas dicas. Voltamos em breve com mais!

Dicas para treinos e provas noturnas

Olá pessoal. Hoje vamos falar sobre uma situação peculiar da maratona aquática, que pode deixar muitos atletas tensos: natação em águas abertas em períodos noturnos. Se para uns a adrenalina é grande para outros o desconforto é maior ainda. 

Tive a minha primeira experiência em uma prova noturna em setembro de 2016, quando atravessei o Canal da Catalina, na Califórnia. Um desafio de 36km e 8h35min nadados. Devido a grande incidência de ventos, a recomendação é que a largada seja por volta das 23h e o atleta passe a madrugada nadando. Além disto esta região possui uma vida marinha muito rica e Alguns não sabem mas eu tenho medo de peixe (sim, vc não leu errado, risos), então a preparação para esse desafio foi redobrada.  

Para quem pretende fazer uma prova noturna, realizar treinos no mesmo período são muito importantes para que você se acostume com as limitações dessa condição de nado, que incluem pouca visibilidade. Para este tipo de treino é fundamental a presença de uma pessoa o tempo todo te acompanhando para sua segurança.   Primeiramente pratique a natação noturna na piscina. Apague todas as luzes, deixe apenas uma pequena luz nas bordas para realizar sua hidratação e as viradas. O ideal é tirar todas as raias e jogar materiais flutuantes na piscina (pranchas, flutuadores, materiais infantis…). Desta forma poderá simular um pouco mais as marolas e objetos que podem ser encontrados. Procure nadar o número de horas ou o mais próximo do que fará na prova. Aproveite para utilizar a hidratação que pretende levar durante a prova, assim, se ocorrer algum desconforto, você tem tempo de trocar e fazer a adaptação necessária. Peça auxílio a um nutricionista.  

Após essa experiência em local fechado, aí sim parta para um local aberto, onde tenha certeza de sua segurança, como lagos ou represas que dificilmente terão correntes ou ondas. Aconselho que alugue um barco onde seu técnico irá acompanhar seu treinamento. Não esqueça de utilizar o “light stick”, acessório que você pode encontrar em lojas de pesca. É como aquelas pulseiras de festa, porém sua luminosidade dura até 24h! Coloque em ambos os braços, na etiqueta do maiô ou sunga e na borracha de seu óculos (atrás). Desta forma você será visto o tempo todo. 

Depois de acostumar com ambas experiências pode ir para o mar. Procure um barqueiro e um técnico com muita experiência, sua segurança é prioridade! Se puder ter um caiaque te acompanhando além do barco será perfeito, pois desta forma o barco fará o suporte para emergências e o caiaque o suporte para sua hidratação e aproximação. Pesquise o local onde nadará antes de ir para o treino, veja a tábua de marés, a lua e a previsão do tempo, pois são condições que que toda organização de prova noturna leva em consideração. Luzes atraem peixes então evite muita luminosidade na embarcação.

Nadar a noite sem uma referência externa fixa pode causar enjoos. Aconteceu comigo em meu primeiro treino noturno no mar. Por isso, converse com seu nutricionista para encontrar a melhor alimentação e caso continue o desconforto, procure um médico do esporte, explique a situação. Ele poderá ajudar com algum medicamento específico que previne enjoos nestes momentos e está mais adequado ao seu organismo e necessidades. Não tome remédios por indicação em sem prescrição, pode ser muito prejudicial à sua a saúde.  Treine MUITO sua navegação (respiração frontal). Sem ela será impossível se localizar e o risco de ficar dando voltas no mesmo lugar será grande.  

Espero ter contribuído mais uma vez. Nos vemos em breve com mais dicas! Abraços

Equipamentos de treino: do básico ao avançado

Olá Pessoal!!
Muitos nadadores me perguntam que tipos de material é importante adquirir ou que devo utilizar para ter um treino mais eficiente. Listo a seguir equipamentos que pode ser usados tanto em provas quanto para treinamento. Muitas academias possuem boa parte desse material, mas alguns atletas preferem ter seu próprio equipamento, que atende melhor suas necessidades.

Básico
• Óculos: deve ficar justo e confortável no seu rosto. Uma dica especial é: Utilize lentes claras para ambientes fechados e dias nublados e lentes médias e escuras para ambientes abertos e exposição ao sol. Isso ajuda na visibilidade.

• Touca: pode ser de silicone, helanca, lycra ou mirofibra, o que ficar mais confortável. Recomendo também utilizar toucas com cores chamativas ao nadar em locais abertos (mar, represa, rio) visando garantir sua segurança e visibilidade perante embarcações.

• Sunga ou Maiô: o que for mais confortável para você. Algumas provas permitem a utilização de roupa de neoprene, porém procure se informar disto antes de fazer sua inscrição. No geral o neoprene é obrigatório para águas com temperatura abaixo de 16 graus e recomendado para amadores quando a água está entre 22 e 24 graus. Mas vale destacar que algumas pessoas são mais sensíveis ao frio, então vai de cada indivíduo e sua adaptabilidade ao clima. Também é importante lembrar que o neoprene pode representar uma “vantagem competitiva”, pois melhora a flutuabilidade do atleta fazendo-o nadar mais rapidamente, consequentemente alavancando seu desempenho. Uma dica para escolha da roupa de borracha é sempre considerar 3 fatores: peso, altura e gênero. Para mantê-lo aquecido corretamente não deve ficar nem larga nem justa demais que cause desconforto para nadar. O principal é ter mobilidade para realizar os movimentos de braços e pernas.

Opcional
• Prancha: Utilizada para isolar o braço e dar atenção para a pernada. Pode ser utilizada para corretivos de nado.
• Pull boy (flutuador): Utilizado para isolar a perna e dar atenção ao movimento de braço. É comum o atleta continuar batendo a perna, isto está errado! Fique atento.
• Pé de pato (nadadeira): Utilizado para fortalecimento da pernada. Pode ser usado em trabalhos corretivos e/ou coordenação e propriocepção (percepção corporal).
• Palmar: Utilizado para trabalhos de força e correção técnica. Uma dica é iniciar com palmar pequeno e depois comprar maiores de acordo com a evolução técnica.
• Snorkel: Utilizado para correções técnicas, trabalhos de resistência cardio-pulmonar e de ritmo de braçada. Existe um especifico para natação que é diferente do utilizado para mergulho e que fica centralizado no rosto.

Nível avançado
• Elástico estacionário: utilizado principalmente por pessoas que viajam muito, pois com ele consegue fazer treinos em piscinas pequenas. Porém, é importante solicitar instrução de um profissional na prescrição do exercício, pois se utilizado de maneira errada pode gerar lesões.
• Paraquedas: Utilizado para trabalho de força. Possui diversos tamanhos, mas o ideal é utilizar apenas sob supervisão e orientação de uma pessoa especializada pois o risco de lesão é alto.

Periodização – Sua importância e algumas dicas simples

Olá pessoal, hoje vamos falar sobre um assunto muito importante na rotina de um nadador: a Pediodização. Trata-se nada menos do que o planejamento da progressão do treino ao longo dos meses e anos, realizada de acordo com seus objetivos individuais. Planejamento é fundamental para atingir as metas desejadas, independente de quais sejam. Além disso, cada pessoa passa por diferentes processos de adaptação ao longo dos treinos, portanto, o seu programa deve ser personalizado de acordo com suas necessidades biológicas e limitações. Por isso, o auxílio de um profissional qualificado é fundamental para realizar uma prescrição adequada para se obter resultados efetivos.

Costumamos dividir a periodização em duas variáveis: Simples, que compreende uma sessão (aula/treino) diária, com a frequência mínima de 2x por semana e máximo de 6x por semana; e Complexa, com duas sessões (aula/treino), com uma frequência mínima de 6 sessões por semana e máxima de 11 sessões por semana.

Para que vocês entendam melhor, vamos exemplificar apresentando uma periodização para atletas que já possuem uma rotina de treino, conciliando trabalho e família.

A periodização SIMPLES tem como característica 3 tipos de ciclos, que podem ser definidos como:

  1. MICROCICLO (semana de treino):
  • 1 sessão de treino com VARIAÇÃO DE INTENSIDADES;
  • 1 sessão de treino de FORÇA;
  • 1 sessão de treino INTENSO;
  • 1 sessão de treino REGENERATIVO;
  • 2 sessões de treinos LONGOS;
  1. MESOCICLO (mês ou parte dos ciclos):
  • 3 semanas com intensidade progressiva
  • 1 semana regenerativa (super compensação)
  1. MACROCICLO (periodização completa – exemplo)
    • 16 microciclos (semanas de treinos)
    • 4 semanas = Aumento do volume em 5% a 8% por Microciclo
    • 10 semanas = Aumento do volume em 5% por Mesociclo
    • 1 semana = Redução do volume em 5% a 10% por sessão
    • 1 semana = Redução de 10% a 15% por sessão (Polimento/ Descanso)

Uma das perguntas mais frequentes é: quanto devo nadar para concluir a prova “x”. Considerando esse contexto, dentro de uma periodização SIMPLES, pode-se dizer que o volume de treino ideal por semana é:

• Provas CURTAS (1k a 2k) = 6k a 12k
• Provas MÉDIAS (3k a 4k) = 12k a 16k
• Provas LONGAS (5k a 10k) = 15k a 20k
• Provas ULTRAS (acima 10k) = 20k +

Já a Periodização COMPLEXA, também composta por 3 ciclos, exige do atleta mais treinos durante o dia, considerando:

  1. MICROCICLO (semana de treino):
  • 1 a 3 treinos INTENSOS;
  • 1 a 2 treinos REGENERATIVOS;
  • 1 a 2 treinos com VARIAÇÃO DE INTENSIDADES;
  • 1 a 2 treinos de FORÇA;
  • 2 a 3 treinos LONGOS;
  1. MESOCICLO (mês ou parte dos ciclos):
  • 3 semanas com intensidade progressiva
  • 1 semana regenerativa (supercompensação)
  1. MACROCICLO (periodização completa – exemplo)
    • 20 a 40 microciclos
    • 5 semanas = Aumento do volume em 5% a 8% por Microciclo
    • 13 semanas = Aumento d volume em 5% por Mesociclo
    • 1 semana = Redução do volume em 5% a 10% por sessão
    • 1 semana = Redução de 10% a 15% por sessão (Polimento/ Descanso)

Neste caso, o volume de treino ideal por semana pode variar, alcançando as seguintes marcas por semana:
• Provas CURTAS (1k a 2k) = 20k – 30k
• Provas MÉDIAS (3k a 4k) = 30k – 40k
• Provas LONGAS (5k a 10k) = acima de 45k
• Provas ULTRAS (acima 10k) = acima de 55k

Lembrando que isso é apenas um exemplo, cada atleta deve buscar um treinador ou profissional para saber qual o melhor momento para cada exercício, intensidade e volume adequado de acordo com seu objetivo.

Espero ter ajudado mais uma vez. Nos vemos em breve!

A influência da postura e do equilibro corporal no hora do nado

Olá amigos! Hoje vamos falar sobre um assunto pouco comentado mas muito importante para garantir uma boa perfomance nas águas abertas: Postura! O equilíbrio corporal não apenas diminui o arrasto aerodinâmico, como melhora a eficiência e velocidade do nadador.

Uma das coisas mais importantes para manter uma postura correta durante o nado é a pernada. Ela obviamente ajuda na propulsão, mas também é responsável pelo equilíbrio tanto na posição dorsal, ventral e lateral. É igual a caminhada, braços e pernas estão alinhados em se movimentando em “x” para dar mais estabilidade ao corredor. A pernada faz o mesmo com o nadador. Ao encontrar o tempo certo e a posição correta, o quadril sobe, melhorando a postura do nadador como um todo.

Além disso, a posição do quadril é essencial para manter o “streamline”, ou alinhamento correto do corpo. Ter o abdômen e as costas fortalecidos é fundamental para manter o quadril alto buscando não só quebrar a resistência da água, como também prevenindo lesões e mesmo o desconforto ao nadar durante muito tempo ou longas distâncias. Por isso, além da técnica, o nadador deve trabalhar abdômen como um todo, infra, supra, obliquo, e toda musculatura das costas em geral, dorsal, redondo, trapézio… 

Outro ponto que se deve atentar é: não adianta ter o abdômen fortalecido e não ter a percepção de que o quadril está baixo na hora do nado. Essa sensibilidade é tão importante quanto a concentração para manter o alinhamento. Exercícios de isometria, como ponte, ajudam muito a condicionar o corpo e dar essa percepção. 

Com os músculos fortalecidos fica mais fácil de sustentar o corpo na posição adequada. Claro que a flutuabilidade e a genética pode ajudar e favorecer alguns biotipos. Quem tem mais gordura entre os músculos acaba flutuando mais, assim como as mulheres, que tem uma taxa de gordura mais alta, especialmente na região do quadril.   

A posição da cabeça também interfere bastante no equilíbrio corporal. A postura ideal para maratona aquática é como se a pessoa estivesse em pé olhando para frente. É uma posição natural, que gasta menos energia, e também que proporciona um conforto maior, minimizando desgaste corporal. Se o nadador levanta muito a cabeça, a tendência é o quadril afundar. Se abaixa demais, a água passa por cima da nuca e geralmente acaba travando as costas, tornado o nado mais difícil. O treino educativo com snorkel pode ajudar. Com esse equipamento o atleta não precisa se preocupar com a respiração lateral e pode focar na posição correta da cabeça. 

Por fim, mas não menos importante, procure manter uma braçada eficiente para que a postura siga correta. A braçada deve ser eficiente na parte submersa, principalmente do meio para o final, e relaxada na fase aérea, que é a fase do descanso.  

Espero ter ajudado mais uma vez e vamos nessa rumo aos objetivos da temporada. Bons treinos e boas braçadas!! 

Abraços