Estratégia de prova: nunca nade lado a lado

Ilha do Mel (2015)

Depois que pegou a esteira, quando o atleta se prepara para ultrapassar, é comum que muitos nadadores passem grudados, lado a lado, do adversário. Porém, se nada muito próximo existe uma resistência natural contrária. Quando a pessoa que está na frente faz a braçada, ela joga o atleta que está ultrapassando mais para trás. Então
é preciso abrir mais a ultrapassagem para aí sim tomar a frente.

Ou seja, ou mantém um atrás do outro ou lado a lado mas distante um do outro. Senão uma força anula a outra.

Estratégia de prova: como melhorar sua esteira (vácuo)

Travessia Florianópolis – Porto Belo (2017)

Esteira é uma estratégia comum na maratona aquática. Consiste em nadar bem próximo do pé do adversário, ou seja um atrás do outro, aproveitando o vácuo. Isso pode gerar uma economia de 20 a 30% de esforço para o atleta.

Tem atletas que pegam a esteira e vão assim até o final da prova, quando já próximo da linha de chegada enfim fazem a ultrapassagem. Algumas pessoas gostam de revezar na esteira, isso também é interessante.

Caso a pessoa da frente bata muita perna, o ideal é que você nade um pouco para o lado, mas ainda atrás da pessoa, para que toda aquela água não atrapalhe sua braçada.

Na maratona aquática, que posição é melhor na largada?

Largada Aquaman Cocanha 2019 – foto: Fabio Mota

Olá pessoal!! Muitos atletas, especialmente os iniciantes, me perguntam: Samir, qual posição eu devo ficar na largada pra sair bem? Para atletas iniciantes a melhor opção é largar mais atrás e não correr o risco de contato físico, pois isso pode incomodar quem ainda não está acostumado com a “muvuca”. Lembre-se que mesmo sendo uma modalidade individual o contato é frequentemente na maratona aquática, ainda mais na largada onde todos estão procurando o melhor grupo, trajeto e estratégia. Se posicione mais a frente gradativamente.

Atletas mais rápidos e experientes já encontram seu espaço e grupo mais rapidamente. Por isso, a dica é encontrar seus adversários e sair mais próximo deles. Para os atletas mais lentos aconselho sair nas laterais, pois desta maneira poderá encontrar seu espaço e seu grupo de acordo com “afunilamento” até a primeira bóia.

Um erro comum é largar muito forte e após um ou dois minutos estar hiperventilando (respiração acelerada). Neste momento bate o desespero, falta fôlego e você pode comprometer toda sua prova, errando o ritmo e deixando pra trás toda sua estratégia… Por isso, aconselho sair utilizando a força e não tanto a aceleração da braçada. Controle sua respiração e intensidade de forma que não atinja seu máximo! Segure esta intensidade até encontrar um grupo de força igual ou pouco mais forte. Mantenha-se neste grupo e aí sim inicie sua estratégia de prova.

Tem técnica específica para nadar com correnteza a favor?

Samir nadando na Argentina (corrente a favor) – foto: Talita Saab

Olá pessoal, hoje vamos falar sobre nadar com a correnteza a favor, situação que todos gostariam em suas competições. Tenho algumas dicas importantes pois mesmo nesta condição favorável é preciso adaptar um pouco técnica para ter um bom desempenho.

Neste momento, não faz sentido focar na frequência de braçadas. Eu posso nadar mais alongado e controlar melhor a aplicação de força. Deixe para aplicar mais força em momentos como ultrapassagem, fora isso aproveite para poupar energia já que a própria corrente está te carregando.

Com a corrente a favor, você naturalmente melhora sua sustentação, seu corpo vira praticamente um caiaque. Por isso é importante um bom trabalho de core. quanto mais você conseguir manter a região do abdômen e quadril elevada e equilibrada, mais você se mantém na superfície, melhorando sua performance.

O que fazer para nadar melhor quando tem corrente contra?

Foto: Matheus Meirelles

Olá pessoal! Hoje trago uma dica essencial para nadar contra as ondas e marolas. A braçada deve ser mais alta para evitar que a onda bata no braço e atrapalhe o nado. Alguns atletas já tem o costume de nadar com o cotovelo mais alto e mão mais baixa na piscina, porém, nessa circustância é preciso abrir o ângulo da alavanca. Ao nadar com o antebraço muito reto, raspando a mão na água, você cria mais resistência e pode forçar mais o ombro, região do trapézio, deltóide, gerando dores e desconforto.

Muitos acham que nessa situação é preciso aumentar a força para se deslocar mais rápido, mas isso só irá aumentar o desgaste do atleta. Contra a corrente, o ideal é tirar um pouco o apoio da braçada e aumentar a frequência de braçada. O trabalho de rolamento de tronco fica menos amplo. E procure sempre finalizar bem a braçada, pois é na finalização que você cria mais propulsão.

Você sabe o que é nado assistido?

@vitoria_farabulini – atleta da Samir Barel Assessoria Aquática

Olá pessoal!! Falamos em outro texto sobre o nado atado/estacionado e o elástico, equipamento composto de uma cinta para colocar ao redor do quadril e um elástico preso na borda. Outro exercício possível com esse material é o nado assistido, um treino que poucos atletas e treinadores fazem, porém traz uma evolução diferente do que estamos acostumados.

No nado assistido, o atleta estica todo o elástico, vai para o outro lado da piscina, entra na água e nada a favor do elástico, aumentando sua velocidade. É uma forma diferente de trabalhar potencia, intensidade e aumentar a velocidade de braçada ou de perna, desenvolvendo sua natação. Vale a pena encaixar na sua periodização.

Benefícios do nado atado ou nado resistido?

@vitoria_farabulini – atleta da Samir Barel Assessoria Aquática

Olá pessoal! Você sabia que o nado atado/estacionado/resistido pode trazer um estímulo diferente para sua preparação? O equipamento é composto de uma cinta para colocar ao redor do quadril e um elástico preso na borda, o que faz com que o nadador mantenha a estabilidade do movimento na piscina e quando esticar o elástico cria uma resistência.

Esse tipo de treino é muito comum para atletas de alto rendimento e busca aprimorar a resistência e a força do nadador. Mas devido a praticidade (o elástico é um equipamento simples, barato e fácil de transportar e guardar), nadadores amadores também podem se beneficiar. Em tempos de pandemia, onde muitos locais enfrentam restrições na abertura de academias para prática de atividade física, pode ser uma alternativa interessante. Vc pode utilizar na piscina da sua residência, condomínio ou mesmo naquelas piscinas pequenas (inflável ou demontável).

Uma dica nesse tipo de treino é utilizar o tempo e/ou contagem de braçada como referência. Por exemplo, faça 2 minutos nadando, por um de descanso, ou 100 braçadas e descanso. Sugiro também séries intervaladas, afinal, com séries muito longas a tendência é o quadril baixar, o atleta deixa de finalizar braçada, perde posição técnica e isso pode gerar alguma lesão. Pode até ganhar condicionamento físico, mas o risco de machucar é grande.

Pode fazer também séries isolando membro superior ou inferior, exemplo, série com flutuador ou com pranchinha, para aumentar a propriocepção… Mas lembre-se de utilizar o material de maneira correta! Com o elástico você já está aumentando a resistência então colocar palmar/pé de pato pode gerar mais sobrecarga. Por isso, faça menos repetições para não gerar lesões e se possível peça ao seu treinador para prescrever o treino. Ele já está mais habituado com as suas necessidades e limitações.

Baixou a neblina na hora da prova? Como sair desta situação?

Amazon Challenge – Foto Alcides Netto

A maratona aquática é uma modalidade outdoor, logo as condições climáticas interferem diretamente na prática. Chuva e neblina são situações que podem causar medo em alguns atletas, portanto, seguem algumas orientações muito importantes caso ocorra com você. 
Sempre digo para meus alunos que segurança vem em primeiro lugar!

Quando baixa a neblina, muitas vezes não é possível enxergar nada a um ou dois metros a frente, então a primeira coisa a fazer é parar. Não se arrisque em ir adiante pois você corre o risco de nadar em círculos, se perder. Procure a margem mais próxima e se encaminhe para lá. Não existe técnica para superar essa adversidade e sim segurança! É importante também fazer algum barulho pois pode vir algum barco ou caiaque te resgatar e com a neblina limitando a visão, o som pode ser a forma mais fácil de te localizar. 

Com relação a chuva, fique atento a duas condições: visibilidade e raios. Assim como ocorre com a neblina, caso você não consiga enxergar o percurso a sua frente o ideal é parar. Se a chuva vier com raios e trovões, o melhor é sair da água rapidamente pois a água é condutora de energia e uma descarga elétrica pode te atingir. 

Em ambos os casos, lembre-se também de avisar a organização imediatamente após sua saída da prova para que eles tenham controle e a equipe de resgate não seja acionada desnecessariamente!! Segurança é um assunto muito sério. 

Águas abertas e cuidados com a pele

Olá pessoal! Vamos falar sobre alguns produtos que fazem parte da rotina de todos os atletas de natação em águas abertas. Começamos pelo protetor solar, item essencial não só nos dias de sol. Aquele mormaço de alguns dias nublados pode provocar queimaduras que geram muito desconforto no pós-prova do atleta. Por isso, quem utiliza protetor apenas nos dias de sol, pode repensar esse hábito.  
A maioria dos atletas opta por uma fórmula de amplo espectro, que proteja contra os raios UVA e UVB, e um fator de proteção muito elevado (de 50 em diante). Filtros em gel ou hidratante? Dependendo do tipo de pele, um pode absorver mais rapidamente que o outro. 
Uma dúvida muito frequente entre os nadadores é sobre a diferença entre lanolina e vaselina. Esta última ajuda bastante contra as indesejadas assaduras. O produto sólido dura mais que a vaselina líquida, por isso, se estiver nadando uma prova com volume muito grande vale a pena comprar o lubrificante em barra

Já a lanolina é ideal para provas em águas frias pois ajuda o corpo a reter calor. Alguns atletas gostam de fazer um produto manipulado, 80% lanolina e 20% vaselina, que, além de tirar o atrito, segura mais a temperatura corporal. 

Enjoos, náuseas e mal estar durante a prova… O que fazer?

Foto: Talita Saab

Olá pessoal. Algumas pessoas, em especial nas primeiras vezes que disputam provas em águas abertas, acabam se sentindo enjoadas. Esse mal estar pode ser devido ao balanço do mar mesmo, alguns só de ver o mar mexido já sofrem com ânsia de vômito. Outros podem ter crises de labirintite, o que também ocorre na piscina quando o nadador executa viradas, por exemplo. 

O ideal é consultar um médico para que ele recomende uma medicação pré-prova, cortando o efeito do enjoo. Alguns remédios têm como efeito colateral sonolência, portanto converse com o médico antes para ter certeza de que a medicação sugerida realmente é a melhor opção para a sua necessidade. 

Tem pessoas que passam mal ao ingerir gel de carboidrato. Neste caso, sugiro consultar um nutricionista e verificar qual tipo de alimento pode ser utilizado para substituir. Apesar de ser mais prático e fácil de carregar, se o gel não bate bem no seu estômago, não vale a pena comprometer meses de treino por conta de uma alimentação inadequada. 
Por isso também, no dia da prova, não utilize nada novo ou diferente do que está acostumado a ingerir. Teste toda sua hidratação antes da prova, nos treinos, pois se você tiver algum tipo de reação indesejada, não sairá da prova frustrado(a) por ter passado mal.